12 passos para o tratamento químico

1º Passo – Admitimos que éramos impotente perante nossa adicção, e que nossas vidas tinham se tornado incontroláveis.

O estudo do 1º Passo compreende as 16 primeiras tarefas, que se inicia com uma retrospectiva da semana anterior à sua vinda para a comunidade, para que ele tenha uma visão de sua atual condição. Depois é feito um histórico de vida e um esclarecimento sobre o surgimento e os efeitos dos tóxicos ou álcool. Faz também um relato com os fatos que o fizeram vir para a comunidade. Dirá também o por quê precisa e por que quer este tratamento químico. Nas tarefas de 08 à 14, São feitos resgates da vida passada, relatando situações de culpa, vergonha, humilhação, desonestidade, orgulho, agressividade, prostituição, irresponsabilidade, ocasionadas pelo seu uso de tóxicos ou álcool.

 

2º Passo – Viemos a acreditar que um Poder Maior do que nós poderia devolver-nos à sanidade.

O estudo deste passo compreende as tarefas de número 17 à 27. São identificadas as parcelas de responsabilidade do residente na sua história de mágoas, perdas, conflitos e abandonos. Fará uma lista de raivas e ressentimentos. Relatará também situações em que era importante que não usasse drogas e usou, situações de intolerância, e situações de comportamento doentio. Indicará onde em seu corpo foi prejudicado. Fará uma lista de tudo o que perdeu, deixou de ganhar, fazer ou construir pelo seu uso de tóxicos ou álcool.

 

3º Passo – Decidimos entregar nossa vontade e nossas vidas aos cuidados de Deus, da maneira como nós O compreendíamos.

Neste passo são relatadas situações onde tentaram controlar pessoas, situações e coisas. Também situações onde tentaram controlar e ficaram com raiva por não conseguir. Faz-se também desenhos dos familiares identificando seus aspectos positivos e negativos, bem como a qualidade do seu relacionamento.

 

4º Passo – Fizemos um profundo e destemido inventário moral de nós mesmos.

Escrevem-se cartas separadas , aos familiares colocando o que gostariam de ter dito a eles e não tiveram oportunidade ou coragem. Bem como cartas-respostas colocando tudo o que acha que eles lhe responderiam e o que gostaria que lhe respondessem. Faz-se também o exercício do espelho com o intuito de elevar a auto-estima. Faz-se também uma lista dos medos atuais, então relata-se os comportamentos e situações que não quiseram trazer à público e as apresenta ao seu conselheiro. Por fim, faz seu inventário pessoal e moral.

 

5º Passo – Admitimos a Deus, a nós mesmos e a outro ser humano a natureza exata de nossas falhas.

É partilhado então seu inventário com um membro da equipe, por ele escolhido. Faz enfim sua lista de metas que irá cumprir a sua 1.º Ressocialização. 1.ª Ressocialização – Saídas na 2.ª feira com o retorna 6.ª feira. Ao retornar da ressocialização fará um relato de quais metas foram cumpridas, como foi seu comportamento e quais foram seus sentimentos.

 

6º Passo – Prontificamo-nos inteiramente a deixar que Deus removesse todos esses defeito de caráter.

Neste passo o residente identifica e reconhece seus próprios defeitos, preparando-se, desta forma a se desvincular dos mesmos.

 

7º Passo – Humildemente pedimos a Ele que removesse todos nossos defeitos.

Neste passo, pedimos com humildade ao nosso Poder Superior a remoção daqueles defeitos que identificamos no passo anterior. As tarefas relacionadas a este passo giram em tôrno dos nossos defeitos.

 

8º Passo – Fizemos uma lista de todas as pessoas que tínhamos prejudicado, e dispusemo-nos a fazer reparações a todas elas.

Neste passo elaboramos uma lista das pessoas às quais causamos prejuízo. As tarefas a ele relacionadas nos levam a admitir erros e ser honestos no propósito de repararmos os erros cometidos.

 

9º Passo – Fizemos reparações diretas a tais pessoas, sempre que possível, exceto quando fazê-lo pudesse prejudicá-lo ou a outras.

Faz-se uma lista das pessoas que prejudicou, dizendo os danos causados e de que maneira serão feitas as reparações. Faz-se também um exercício de reparação com 05 cartas. São feitas então as metas para a Segunda ressocialização. 2ª Ressocialização – idem a 1.ª ressocialização.

 

10º Passo – Continuamos fazendo um inventário pessoal e, quando estávamos errados, nós o admitíamos prontamente.

Este passo é praticado durante o tratamento inteiro através da folha de sentimentos diários.

 

11º Passo – Procuramos, através de prece e meditação, melhorar o nosso contato consciente com Deus, da maneira como nós O compreendíamos, rogando apenas o conhecimento da Sua vontade em relação a nós, e o poder de realizar esta vontade.

Faz-se contatos diários e conscientes com o seu Poder Superior.

 

12º Passo – Tendo experimentado um despertar espiritual, como resultado destes passos, procuramos levar esta mensagem a outros adictos e praticar estes princípios em todas as nossas atividades.

Pratica-se o 12º Passo, levando a mensagem e ajuda aos novos residentes. Faz-se uma retrospectiva de todo o tratamento. Relatando dificuldades que encontrou e como ocorreram as mudanças em seu comportamento e compreensão de sua vida. Enfim, faz-se um plano de vida realista, para os próximos 6 meses, nas áreas de: recuperação, espiritual, familiar, moradia, educacional, cultural, profissional, esporte, lazer e sexual.