Relação familiar ajuda na prevenção contra as drogas

Publicado em jun 25, 2014

Relação familiar ajuda na prevenção contra as drogas

Não é fácil refletir com tranquilidade, sem dúvida ou sensação de ameaça, quando o assunto é o uso de drogas por crianças e adolescentes. As notícias sobre o avanço no consumo de entorpecentes e o surgimento de novas drogas, mais danosas e mortais, geram um sentimento de impotência, parecem nos colocar em um beco sem saída onde qualquer um pode se tornar usuário.

A maior parte dos estudos científicos reflete que quanto mais cedo for iniciada a prevenção, melhor. Primeiro, é importante investir no desenvolvimento e no fortalecimento dos vínculos afetivos entre pais e filhos. Depois, surgem as conversas. Uma educação antidrogas pode começar a partir dos seis anos de idade, mas deve respeitar as particularidades de cada faixa etária. Inicia-se com a prevenção ao álcool e ao tabaco, deixando as outras substâncias para mais adiante. Antes de conversar sobre as drogas mais pesadas, é preciso ensinar o quanto é importante uma boa qualidade de vida e desconstruir a glamuralização do cigarro e das bebidas. Nessa fase, a família transmite valores que serão importantes quando houver o contato com as drogas.

É necessário preparar os filhos para o enfrentamento de situações de frustração de maneira positiva. A dificuldade para lidar com o negativo aparece na adolescência quando não houve treino durante a infância. O adolescente com uma boa bagagem emocional pode até experimentar droga, mas não fica preso a ela. Depois de saciar a curiosidade, ele sai.